A corrida incessante de pesquisadores continua dia após dia em centros de pesquisas em todo o mundo, além do trabalho que está sendo feito para a conclusão de uma vacina, cientistas analisam também, cerca de 150 medicamentos que podem ser a cura para o coronavírus ou pelo menos minimizar os efeitos da doença no corpo.

Diversos trabalhos estão sendo feitos para encontrar tratamentos eficazes contra o vírus. A Organização Mundial de Saúde (OMS), lançou o Estudo de Solidariedade, com o objetivo de avaliar os tratamentos mais promissores. A iniciativa irá comparar quatro opções de tratamentos com o padrão de atendimento, para avaliar eficácia relativa contra o coronavírus. Ao inscrever pacientes em vários países, o estudo busca descobrir rapidamente se algum dos medicamento atrasa a progressão da doença ou melhora a sobrevida. Outros remédios podem ser adicionados com base em evidências emergentes.

Até que haja evidência suficiente, a OMS alerta contra médicos e associações médicas que recomendam ou administram esses tratamentos não comprovados a pacientes com a infecção ou pessoas que se automedicam com eles. A preocupação diz respeito aos relatos de indivíduos que se automedicam com cloroquina e causam sérios danos a eles.

Medicamentos que podem funcionar na cura para o coronavírus

Atualmente três abordagens amplas estão sendo investigadas.

  • Medicamentos antivirais que afetam diretamente a capacidade do coronavírus de prosperar dentro do corpo.
  • Medicamentos que podem acalmar o sistema imunológico – os pacientes ficam gravemente doentes quando o sistema imunológico reage exageradamente e começa a causar danos colaterais ao corpo.
  • Anticorpos, provenientes do sangue de sobreviventes ou produzidos em laboratório, que podem atacar o vírus.

Os últimos ensaios clínicos do remdesivir, um medicamento antiviral originalmente desenvolvido para tratar o Ebola, foram esperançosos. O Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos EUA (NIAID) descobriu que o remdesivir reduziu a duração dos sintomas de 15 para 11 dias. Os ensaios envolveram 1.063 pessoas em hospitais de todo o mundo. Alguns receberam o medicamento e outros um tratamento placebo (fictício).

O Dr. Anthony Fauci, que administra o NIAID, disse que o remdesivir teve “um efeito claro, significativo e positivo na diminuição do tempo de recuperação”. No entanto, embora a droga possa ajudar na recuperação – e possivelmente impedir que as pessoas sejam tratadas em terapia intensiva -, os ensaios não deram nenhuma indicação clara de que ele pode prevenir mortes por coronavírus. Este é um dos quatro medicamentos no Estudo Solidariedade da OMS e seu fabricante, Gilead, também está organizando testes.

Medicamentos para HIV também estão sendo testados,  mas há poucas evidências de que drogas como o lopinavir e ritonavir sejam eficazes no tratamento do coronavírus. A combinação não melhorou a recuperação, reduziu as mortes ou diminuiu os níveis do vírus em pacientes com Covid-19 grave. No entanto, como a análise foi realizada em pacientes extremamente doentes, pode ter sido tarde demais para que os medicamentos funcionassem.

A cura para o coronavírus está sendo buscada também em medicamentos contra malária que fazem parte das pesquisas que têm suporte da OMS. A cloroquina e um derivado relacionado, a hidroxicloroquina, podem ter propriedades antivirais e imuno-calmantes.

As drogas foram colocadas sob os holofotes como potenciais terapias contra o coronavírus, em grande parte devido às alegações feitas pelo presidente Trump , mas ainda há poucas evidências de sua eficácia.

A hidroxicloroquina também é usada como tratamento para a artrite reumatóide, pois pode ajudar a regular o sistema imunológico. Testes de laboratório mostraram que ele pode inibir o coronavírus, e existem evidências anedóticas de médicos dizendo que parece ajudar os pacientes.

No entanto, a Organização Mundial de Saúde diz que não há evidências definitivas de sua eficácia.

Drogas imunológicas e anticorpos no combate ao coronavírus

O estudo Solidarity está investigando o interferon beta, que é usado para tratar a esclerose múltipla e reduz a inflamação. Os interferões são um grupo de substâncias químicas liberadas pelo organismo quando estão sob ataque de um vírus.

Já o Trial Trial do Reino Unido está investigando a dexametasona – um tipo de esteróide usado para reduzir a inflamação.

Um outro lado tenta analisar se o sangue de pessoas que sobrevivem a uma infecção devem ter anticorpos que podem atacar o vírus. A idéia é pegar o plasma sanguíneo – a parte que contém os anticorpos – e administrá-lo a um paciente doente como terapia.

Os EUA já trataram 500 pacientes com o que é conhecido como “plasma convalescente”, e outros países também estão se envolvendo.

Apesar de todos os estudos é muito cedo para saber quando podemos ter um medicamento que pode tratar o coronavírus. No entanto, é importante que especialistas possam obter os resultados dos testes nos próximos meses, e contra a infecção para saber se há algum medicamento que realmente protege com o novo coronavírus. Porém, o resultado deve sair mais cedo do que o de vacinas que estão sendo elaboradas, isso ocorre porque os médicos estão testando drogas que já foram desenvolvidas e são conhecidas por serem seguras o suficiente para usar, enquanto os pesquisadores de vacinas estão começando do zero.

Algumas drogas completamente novas e experimentais para coronavírus também estão sendo testadas em laboratório, mas ainda não estão prontas para testes em humanos.

A razão mais óbvia para querer um tratamento é que ele salvará vidas, mas também poderia permitir o levantamento de algumas medidas de bloqueio. Ter um tratamento eficaz tornaria, em essência, o coronavírus uma doença mais branda.

Se impedisse que as pessoas internadas no hospital precisassem de ventilação, haveria menos risco de as unidades de terapia intensiva serem sobrecarregadas, de modo que os controles sobre a vida das pessoas talvez não precisem ser tão rigorosos.